Uncategorized

MOB – MANOBRA DE HOMEM AO MAR

Homem ao Mar

Não queira nunca ter o desprazer de ter um tripulante na água, treine essa manobra exaustivamente, mas acima de tudo instrua seus tripulantes e você como comandante da embarcação lembre-se que TODOS dependem de você.

A finalidade dessa lição é auxiliar você e sua tripulação a conhecer e praticar as manobras que serão necessárias para lidar com uma situação real de “homem ao mar”. Praticando, você será capaz de reagir imediatamente e fazer a “coisa certa na primeira vez”. Isto pode fazer a diferença entre um resgate bem sucedido e um desastre.

Procedimentos

  1. Grite “HOMEM AO MAR” imediatamente para que toda a tripulação tome conhecimento da ocorrência e possa assumir o seu papel na manobra de resgate
  2. Atire na água alguma coisa que flutue para ajudar a vítima a se manter na superfície. Você pode usar almofadas, coletes salva-vidas, bóias, o que estiver mais a mão. O dispositivo flutuante não só ajudará a vítima a se manter na superfície como a melhorar a sua visibilidade. Pode ser bem difícil enxergar uma pessoa que caiu na água, especialmente quando há ondas ou quando a visibilidade é ruim. Tente atirar o dispositivo flutuante o mais próximo possível da vítima, obviamente sem atingi-la
  3. Designe algum tripulante para manter a vigilância na posição da vítima. Isto dará ao comandante a possibilidade de concentrar a sua atenção nas manobras de bordo
  4. Se você julgar que terá dificuldade em controlar a genoa durante a manobra de resgate, abaixe-a e prenda-a no convés. Isto ajudará também a manter o barco sob controle no momento de resgatar a vítima. Numa situação de desespero, você poderá deixar a genoa panejar, folgando completamente as escotas. Em barcos maiores, você deverá içar a vítima usando uma adriça ou outro cabo semelhante

Objetivo – O objetivo principal da manobra de “homem ao mar” é posicionar o barco de forma a fazer a abordagem da vítima numa orça. Nessa mareação você poderá soltar as escotas, diminuindo a velocidade até a parada total do barco a fim de resgatar a vítima. Demandará alguma prática até que você seja capaz de parar o barco no local indicado.
Mantenha-se sempre calmo e consciente. Uma confusão nesse momento pode levar ao erro, o que poderá fazer a diferença entre o sucesso e o desastre. E também você não quer que nenhum outro membro da tripulação se machuque ou caia também na água durante a manobra.
Manobrando na Direção da Vítima – Primeiro observe a direção do vento. Depois resgate a vítima pelo lado de sotavento. Há três benefícios nessa abordagem:

  1. Isto protege a vítima do vento e das ondas
  2. O lado de sotavento está, geralmente, com a borda mais próxima da água o que tornará o resgate mais fácil
  3. O barco terá uma tendência a derivar na direção da vítima. Se você não chegar perto o suficiente na primeira abordagem, a deriva se encarregará de aproximá-lo

A Abordagem Final
Dando um Jaibe –

O meio mais rápido de retornar ao local da queda quando você estiver velejando com o vento pelo través ou pela proa é dando um jaibe. Continue no seu rumo original pela distância equivalente ao tamanho do barco e então dê um jaibe. Depois que o jaibe for completado, continue na mesma direção até que você se aproxime da vítima orçando. Antes de atingir o seu objetivo, solte as escotas de forma a diminuir a velocidade. Pelo ajuste das velas na abordagem final você poderá fazer com que o barco pare ao lado da vítima. Nesse momento, você poderá ter que abaixar as velas para evitar que o barco re-inicie o seu movimento enquanto você está tentando trazer a vítima novamente para bordo.
Durante uma tempestade, com vento forte, pode ser muito perigoso usar a manobra de “dar um jaibe”. Quando for esse o caso, você deverá usar a “Manobra do 8”, conforme descrito abaixo.

Cambando – Quando você estiver velejando com vento a favor, a melhor forma de retornar ao ponto onde a pessoa caiu na água é usando a manobra de “cambar”. Quando estiver velejando com vento pela alheta, continue no rumo original pelo comprimento de dois barcos e então cambe. Isto o colocará num rumo direto de orça na direção da vítima. Quando estiver velejando com o vento pela popa rasa, mude o rumo para um través antes de cambar. Se você percorrer a mesma distância no través que havia percorrido na popa rasa desde que a pessoa caiu na água, ao cambar você estará no rumo direto para a posição da vítima.

A Manobra do 8
Durante uma tempestade com vento forte ou em qualquer situação em que não é seguro dar um jaibe, você deve usar a Manobra do 8, quando estiver com o vento pela proa ou pelo través. Esta técnica é também útil quando você está com pouca tripulação. Se necessário você pode soltar completamente as escotas da genoa para que você não se preocupe com essa vela na hora de manobrar, apesar de que este procedimento poderá danificar a vela e, portanto, só deverá ser usado em uma situação de emergência.
Altere o rumo para um través ou para um vento pela alheta até que você cruze uma linha imaginária que faz um ângulo de 90o entre a vítima e o vento. Então cambe e arribe até assumir a mesma posição anterior das velas porém com as amuras no lado oposto. Prossiga nesse rumo até que você posso orçar na direção da vítima. Resgate a pessoa da mesma forma conforme descrito para as outras manobras.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *