Uncategorized

Navegação ortodrômica ou lexodrômica?

No mar, a linha reta nem sempre é o caminho mais curto. Durante a navegação oceânica, frequentemente ouvimos falar de ortodromia e loxodromia. Mas qual a diferença entre essas rotas? Qual devemos seguir?

Durante as principais regatas oceânicas, como a Route du Rhum ou a Vendée Globe, você pode ter observado nos mapas a forma curva das trajetórias dos capitães. Isso se deve à projeção do globo, uma superfície esférica, em um mapa, uma superfície plana.

Esta projeção leva necessariamente a deformações. Para traçar nossas rotas em uma carta náutica, às vezes será necessário levar em conta a redondeza da Terra, é o que chamamos de rota ortodrômica.

A terra é esférica, mas nossos mapas são planos! Como a Terra é uma esfera, é impossível ter mapas planos que estejam absolutamente alinhados com a realidade.

Para se convencer, você pode abrir um balão ao meio e tentar achatá-lo. Logo descobriremos que é impossível fazer isso, exceto distorcendo a parte superior e inferior: não mudamos do 3D para o 2D sem consequências. Assim, os geógrafos aplicaram deformações aceitáveis a projeções “planas”. Existem diferentes modelos de projeção e cartas marítimas são geralmente do tipo “Mercator”.

A projeção do Mercator

Essa projeção data de 1569. Naquela época, a maior parte do mundo tinha acabado de ser descoberta. Ele se estabeleceu como o planisfério padrão graças à sua precisão para viagens marítimas.

A projeção de Mercator, chamada de conformação, preserva os ângulos. E vamos concordar que para nós, marinheiros, essa representação do globo é muito prática. Ele nos permite traçar linhas retas em nossos mapas, cujas coordenadas podem ser lidas em qualquer ponto.

O que você quer dizer com marche? Esta visão de mundo consiste em projetar cada ponto do globo em um cilindro que será desenrolado para obter um mapa plano. Cada paralelo (ao equador) terá o mesmo comprimento no mapa quando na realidade, no globo, isso não é verdade.

Notamos que a projeção do Mercator é muito realista perto do equador. Mas as superfícies reais mais próximas dos pólos são deformadas. E para navegações próximas aos pólos, outras projeções mais relevantes serão utilizadas, como a de Postel, que coloca o Pólo Norte no centro do mapa.

Então, qual é a diferença entre ortodromia e loxodromia?

Agora que vimos que nossos mapas são uma representação aproximada do globo, podemos entender melhor a diferença entre “loxo” e “orto”. O loxódromo é a linha reta que desenhamos em nossos mapas de Mercator. É o equivalente a uma trajetória seguida por um navio em rumo constante.

Por exemplo, para chegar a Marie Galante (Índias Ocidentais) de Mindelo (Cabo Verde), você deve seguir uma longa estrada a 260°. Esta rota é a mais fácil de traçar em um mapa de papel.

Mas em grande escala, especialmente quando se afasta do equador, não corresponde à distância mais curta para viajar em um globo. A distância mais curta para viajar em uma esfera é o ortódromo.

Este termo vem do grego dromos (correr) e orto (direita) e significa correr em linha reta. Para um navio, é a linha mais direta (a mais curta) entre 2 pontos do globo. Mas a ortodromia também é o caminho mais complexo a seguir.

Levando em consideração a forma arredondada da Terra, exige que os marinheiros mudem constantemente de curso. A transição de uma esfera para um mapa plano muda minha navegação?

Em teoria, as distâncias registradas nas cartas náuticas são imprecisas. Mas tenhamos certeza de que, na prática, o erro é totalmente desprezível, pois nossas navegações mais comuns não ultrapassam algumas centenas de quilômetros. Além disso, no equador e até 15 ° Norte, as vias loxodrômica e ortodrômica quase se fundem.

Para simplificar a vida, aceitamos uma ligeira imprecisão. Esta é a rota loxodrômica que traçamos em nosso mapa Mercator. Mas à medida que nos aproximamos dos pólos, a lacuna se torna significativa.

E para longas distâncias, as lacunas podem se tornar significativas. Portanto, para otimizar a rota, levaremos em consideração a redondeza da Terra e a banalidade de nossos mapas, é a rota ortodrômica.

Um estudo de caso prático

Em uma viagem do Cabo Horn ao Cabo da Boa Esperança, a distância loxodrômica (rumo constante) é 3822 milhas. Enquanto a distância ortodrômica é de 3612 NM é um ganho de 210 NM.

Por outro lado, em uma viagem entre Brest e Marie Galante (Índias Ocidentais), a diferença é de cerca de 30 milhas, o que é insignificante para um iatista.

Como levar em consideração a ortodromia?

Para calcular o erro devido à projeção de Mercator, provavelmente será necessário convocar os deuses da trigonometria. Alexandre Pierre Givry, no final do século 19, desenvolveu uma fórmula que corrigia as medidas angulares feitas em um mapa de Mercator para obter ângulos na esfera terrestre.

Atualmente não precisamos fazer inúmeros cálculos na carta náutica para realizarmos a navegação ortodrômica, os programas de navegação, tanto por celulares e/ou tabletes, como os mais sofisticados pelos computadores irão te informar a melhor rota.

Vamos simplificar a vida do navegador e do timoneiro. Várias rotas loxodrômicas podem ser relatadas seguindo de perto a rota ortodrômica. Para fazer isso, um novo segmento será determinado arbitrariamente a cada 10 ° ou a cada 5 ° de longitude. A questão do caminho a seguir será mais frequentemente resolvida com a ajuda da eletrônica.

Então, loxo ou orto?

Não somos pilotos de avião voando ao redor do globo em todas as direções. Então, em um cruzeiro à vela, ficaremos satisfeitos com a simplicidade loxodrômica.

O ambiente marítimo costuma nos lembrar que não existem apenas rotas ortodrômicas e loxodrômicas no nosso planeta mar. Cada navegação é uma oportunidade para descobrir os percursos que nos são disponibilizados ou que nos são impostos.

Muitas vezes, nossas belas trajetórias são orientadas pelo vento, que sopra com bastante força ou não, na direção certa ou não. Para uma regata transatlântica à vela, uma rota ortodrômica perfeita através de uma área de alta pressão (sem vento) não seria de interesse.

Seria sensato escolher a rota dos ventos alísios, mais longa, mas com vento o suficiente para nos permitir cruzar o oceano. A vela está se adaptando. Um grande marinheiro costumava dizer: “Se você quer fazer Netuno rir, conte-lhe sobre seu plano de navegação.”

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *